Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Na Pegada do Silêncio

" ‘You are a lover of silence’, he said". H. W. L. Poonja

" ‘You are a lover of silence’, he said". H. W. L. Poonja

Na Pegada do Silêncio

18
Jul23

Fidalguias da língua

Sónia Quental

Os Portugueses deixaram de se intitular; passaram a auto-intitular-se; O Português já não se proclama coisa alguma; ele autoproclama-se. De ego inflado, o Português reluz. Convenhamos: tem mais pinta. Repare: ele não se domina nem se controla; ele autodomina-se e autocontrola-se. É outra loiça.

Tende a não se vitimizar – agora, dá-lhe para se autovitimizar. Não se flagela; autoflagela-se. Não se penitencia; autopenitencia-se. Não se destrói; autodestrói-se. Não se exclui; auto-exclui-se. Não raro, já nem se isola; auto-isola-se. Com jeitinho, até se autofotografaria, mas ele é mais selfies.

Manuel Monteiro*

 

 

Catwoman (18.10 (5).jpg

Lembro-me de estar no café e de ouvir alguém na mesa ao lado descrever uma história como hilária, entre um esboço de riso transformado em inexpressivos lol e as tortas de nós a ilustrar a ementa.

Terá sido na mesma altura em que, a um só tempo, como se todos tivessem recebido o mesmo referencial de termos da moda, deixei de dar formação para passar a ministrá-la e a ter turmas alocadas no horário. Os bons dias ou boas tardes a abrir os e-mails, ou as extraordinárias boas, que só podem vir de quem faz manobras com uma mão ao volante, começaram a fazer parelha com os beijinhos carinhosos das fórmulas de despedida. Comecei a deixar de distinguir as mensagens dos superiores hierárquicos, dos colegas e dos amigos, gerando-se a sensação perigosa de que as ordens não são mais do que pedidos amigáveis, enviados por companheiros de pândega.

Lembro-me de quando, em vez de se pedir coisas, se passou, sem exceção, a solicitá-las, tendo deixado de se pôr o que quer que fosse nalgum lugar para se passar a colocar – fenómeno esse que não poupou o verbo ter, engolido amiúde pelo possuir. Da mesma forma, o comum fazer evoluiu para a fidalguia do efetuar, quando não é caso de se executar. Já o velhinho e maltratado verbo haver foi trocado pelo sofisticado existir, que tem a vantagem de não colocar problemas de “h”. Oferecer, prestar, proporcionar, disponibilizar convergiram todos para esse abominável fornecer, que nos tornou fornecedores universais de toda a espécie (ou tipo) de disparates.

Hoje, já não se confirma nada: verifica-se. Os recursos existentes, invariavelmente caracterizados como exclusivos, estão aí para se alavancar – em caso de dúvida, peça-se ao suporte para esclarecer. Deixou de se escrever artigos ou publicações para se fazer posts, com tags, em vez de etiquetas, e pede-se tuteando um feedback construtivo, sem vestígios de hate speech, tal como estipulado pelas políticas da comunidade, feitas para proteger a sensibilidade dos utilizadores, que reservam a criatividade para os neopronomes.

Aquilo que possa ser significativo ou relevante é o que, para os filósofos do copywriting, se limita a fazer sentido. O que pudesse ser difícil, complexo ou delicado só pode ser complicado, sendo que, em geral, muito se constata que as coisas são complicadas – ou complicaditas, quando se tenta dar ânimo ao interlocutor –, termos estes com tanta plasticidade quanto o insípido adjetivo interessante, que deve ser bege e polígamo, tanto se presta a casar com todo o género de pretendentes.

Por entre estas fidalguias da  língua, o que abespinha os falantes, que se têm todos por entendidos, é ouvirem alguém utilizar o pleonasmo subir para cima ou descer para baixo, a metonímia beber um copo de água ou os aondes, quando corretamente empregados. Nos esforços de hipercorreção ou de tradução à letra, acontecem fenómenos como o que Mia Couto relata no texto “A fronteira da cultura”: “(…)  esse palestrante, para evitar dizer que ia fazer uma apresentação em power-point, acabou dizendo que ia fazer uma apresentação em ‘ponta-poderosa’. O que pode sugerir maliciosas interpretações.”

Ao contrário da corrente elitista que atribui aos especialistas o monopólio do conhecimento, não é preciso fazer-se faculdade para se saber a usar a língua. A linguística que lá se ensina é pouco voltada para matérias de real utilidade para o falante (pesem embora todas as ressalvas que faço ao que é considerado útil e prático) e, como certa vez proclamou a minha professora menos preferida, assume-se que quem chega à faculdade já tenha o domínio da língua. Mesmo que seja uma conjetura errada, e mesmo num curso de língua materna, nada se faz para colmatar aquilo que já adivinhamos ser… a lacuna. Um ano antes de nos atirarem para o ensino, mandam-nos ser autodidatas e estudar a gramática. E já está.

Para se saber falar e escrever, é preciso ler (livros), utilizar o dicionário e outras ferramentas auxiliares. É preciso ter-se interesse, curiosidade e desvelo, temperados com uma boa pitada de amor à língua. Não é pouco, mas basta.

           

* O autor usa nos seus textos uma norma ortográfica diferente da deste blogue, opção que foi aqui respeitada.

 

Fotografia: 2018 © Francisco Amaral – Todos os direitos reservados

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Na Pegada do Silêncio by Sónia Quental is licensed under CC BY-NC-ND 4.0

Blogs Portugal