Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Na Pegada do Silêncio

" ‘You are a lover of silence’, he said". H. W. L. Poonja

" ‘You are a lover of silence’, he said". H. W. L. Poonja

Na Pegada do Silêncio

14
Out23

Música não é certamente

Sónia Quental

 

Tenho encontrado várias críticas feitas de passagem ao uso generalizado de fones. Também me molestam, mas sou utilizadora. O que ouço não é música e não é escapatória – é conteúdo formativo a que só posso dar atenção quando vou na rua, porque em casa o tempo não chega para ficar parada a ouvir o que me interessa, mesmo durante as tarefas de lida doméstica, que deixam um ouvido livre enquanto interrompo o trabalho mental e é a vez de as mãos se ocuparem.

Ao deslocar-me, a pé ou de transportes públicos, posso deixar-me absorver pelo que de facto me faz mover e revigora, porque o tempo para o que importa é escasso. Em vez de meio de alheamento ou desculpa para escapar a interações embaraçosas, os fones são uma forma de estudo ativo, concentração e interiorização.

Há, porém, outros motivos que me fazem recorrer a eles cada vez mais. Além do assédio constante a que sou sujeita nas ruas e esquinas mais inusitadas, de pessoas e organizações a pedir esmolas e donativos, essas investidas acontecem agora em qualquer espaço comercial onde se entre. Tendia a frequentar as livrarias maiores, por exemplo, porque, além da maior quantidade de livros em oferta, podia deambular à vontade no interior, quer fosse com intenção de comprar ou apenas de ver as novidades. Podia pegar nos livros, folheá-los, passar algum tempo a lê-los e passear ao sabor do acaso sem ter de prestar contas a ninguém. Agora, nem nos grandes espaços comerciais estou a salvo de ser assaltada por funcionários que mostram pouca sensibilidade, oferecendo reiteradamente ajuda não solicitada, empurrando revistas e panfletos que não quero e recitando todas as campanhas em vigor, já expostas nos cartazes espalhados pela loja – litania essa que por vezes tenho de ouvir de TODOS os funcionários ao serviço. Nem os fones, que ali uso como sinal de “Não incomodar”, conseguem demovê-los do intento e forjar uma sensação de abrigo.

O mesmo acontece com o ruído e outras formas de invasão de um espaço pessoal que parece ter deixado de existir, apesar da histeria fanática dos que ainda há pouco tempo defendiam “distanciamentos sociais” (uma contradição nos próprios termos). Pegando novamente no exemplo da leitura, é difícil fazê-la em espaços públicos, fechados ou abertos, porque os restantes frequentadores falam ao telemóvel, quais varinas em pleno arraial, tendo criado ainda o hábito de ouvir música e assistir a conteúdo multimédia nos seus dispositivos pessoais SEM fones – certas camadas da população fazem questão de andar com as colunas atrás, para se certificarem de que o som que ouvem é devidamente propagado, inclusive dentro do metro. Mas não se pense que o fenómeno é apanágio delas, porque ainda há poucas semanas, entrando num café, tive de me sujeitar a ouvir o conteúdo de stand-up comedy sobre sexo que dois casais de idosos bem-apessoados, talvez com problemas de audição, partilhavam entre si à mesa.

Por isso, mesmo que os fones sejam um fenómeno cada vez mais generalizado, quiçá marginal à etiqueta, não são sempre expressão de solipsismo ou falta de confiança daqueles que encontro poeticamente descritos como “os gajos dos fones”, mas medida de sanidade mental e proteção contra as agressões externas cada vez mais numerosas, de um mundo que deixou de saber diferenciar o público do privado e não sabe que nem tudo o que é meu é nosso. Numa sociedade que não para de falar, ainda há quem escolha o silêncio como modo de vida. Essa a mais bela das músicas.

Nas escadas (7).jpg

 

Fotografia: 2020 © Francisco Amaral – Todos os direitos reservados

 

04
Jul23

A costela do silêncio

Sónia Quental

Rosto (2).jpg

Let your ultimate prayer be an absolute silence.

Joel S. Goldsmith

 

 Silence reveals itself only to itself. (…). It’s the only teacher that won’t speak to you.

Adyashanti

 

Um choro de criança que insiste; vozes que batem de todos os quadrantes em pura incontinência verbal, exceto do lado direito, onde fica o anjo do silêncio a segurar a minha costela. Não sei se falam comigo ou se me sugam. Atordoada, desmancho-me como animal para a matança; a atenção que ofereço, polvilhada de açúcar, é sorvida até as reservas se esgotarem e só me restar o sorriso suplicante, que desfaço ao chegar a casa, a veia exposta pulsante no pescoço até há pouco tenro.

A digestão para. Vomito os cacos de estridência enquanto o anjo me segura os cabelos. Nem chá nem água me sossegam o estômago. Desidratada de silêncio, o único remédio é esperar que o anjo volte para dentro de mim. Quero que seja rápido, mas a rapidez é contrária ao movimento dos anjos, apesar da sua leveza. Entrego-me ao desconforto da demora, esqueço-me do tempo no trabalho de reinstalar o silêncio e regenerar os tecidos, voltar a montar o corpo peça a peça.

Mas nem isso me é pedido. Sempre que penso que tenho de fazer alguma coisa, a resposta é a mesma: fica quieta, a coisa mais difícil de todas. Tudo tende à harmonia e a ela volta, a menos que teimes no contrário e queiras saber como, tomar conta do processo. O silêncio é o que nunca deixa de ser. Nem um pensamento fora de sítio o faz bulir. Não pode ser ferido. Não podes perdê-lo. Está na tua costela, através dela se reparte e multiplica, sem jamais te expulsar do Paraíso. Fica quieta.

 

Fotografia: 2020 © Francisco Amaral – Todos os direitos reservados

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D